Páginas

VÍDEO DO DIA

Quer que eu fale a verdade ou prefere ver a "pesquisa" que Super Interessante diz revelar o segredo do SUCESSO?



Pesquisa tola.

A verdade é que o que leva uma música às paradas de sucesso, em primeiro lugar, é o "orçamento de publicidade", vulgo JABÁ. Depois vem o efeito hipnose: a música toca o dia todo em todo lugar, de forma que até um mero zumbido ficaria registrado na cabeça de qualquer um. Aí surge o inevitável boca a boca: todos falam da tal música - bem ou mal, acabam falando. E por último o efeito "maria-vai-com-as-outras" (também chamado de efeito manada) consolida o produto. Pronto: está feito o HIT.

Quanto a música em si... Bom, o que se faz de música no mundo é sempre "a mesma merda". Harmonias, melodias, ritmos, temas... Tudo é a mesma coisa. Não muda nada. Em umas tem guitarra, em outras pandeiro e por aí vai... Mas estruturalmente, do ponto de vista realmente musical, é a mesma e velha receita há mais de 50 anos. Quem sai dessa receita pode ficar restrito ao "subsolo" e fora da indústria. Daí a importância da internet pra quem quer ousar um pouco que seja em termos criativos.

E entre os megahits há música bonita (ou "boa", como prefere chamar a maioria)? Há sim, claro e evidente. Afinal, a receita é de SUCESSO.

Agora a matéria da Super. Vejam quanta besteira:

Uma equipe da Universidade de Bristol (Reino Unido) desenvolveu uma equação matemática que é capaz de prever, com 60% de precisão (precisa melhorar um pouquinho, mas já é algo), se uma música vai entrar no top 5 ou ficar fora do top 30 da parada de sucessos britânica.
A equação usa 23 variáveis, incluindo harmonia, andamento e o quão “dançável” a música é. Todos os fatores são analisados por um programinha de computador, que dá o veredicto.
O banco de dados do estudo inclui tudo o que entrou nas paradas do Reino Unido nos últimos 50 anos. E, como os gostos das pessoas mudam — os sucessos de hoje em dia não soam como os dos anos 80 —, os cientistas tiveram o cuidado de calibrar o computador: quando analisa os hits passados, o programa “aprende” quais os fatores mais importantes para as modinhas musicais de diferentes épocas (se as músicas de hoje em dia são mais rápidas ou mais lentas do que nos anos 90, por exemplo), e assim define o peso que cada variável deve ter.
Não é bacana? Os caras vêm analisando o potencial de sucesso das novas músicas lançadas semanalmente no Reino Unido, antes da divulgação da parada oficial.
Na última atualização, eles dizem, por exemplo, que “I’m The Best” da Nicki Minaj não vai fazer feio. Já “Towers”, do Bon Iver… Ih. Dá para acompanhar nesse link.