Páginas

VÍDEO DO DIA

Passagem de "Não nascemos prontos".

É de Campinas ou das cidades próximas? CLIC AQUI!
Colabore com a nossa "caixinha" de e-mails. Deixe o seu aqui ao lado!

"Vergonhas amargas" - compre e devore o livro!
De Mario Sergio Cortela, um dos homens mais sábios deste país.

"No início da década de 1990 na cidade de São Paulo aconteceu uma plenária para a discussão do Orçamento Participativo relativo ao setor central da metrópole; promovida pelo governo municipal, o convite para a participação foi feito aos moradores da área da Sé (na sua maioria habitada, naquela época, por encortiçados ou sem-teto). O espaço público no qual esse encontro ocorreu foi o Teatro Municipal da capital paulista, um dos mais bonitos do mundo, com obras de artes maravilhosas, projetado pelo grande arquiteto Ramos de Azevedo.

Imagine-se a cena: o povo pobre, muitos economicamente miseráveis, entrando no teatro devagar, olhando tudo à sua volta, escadas de mármore, paredes e poltronas de veludo e lustres de cristal. Lotou a plateia. Um ou outro colocou jornal ou sacola no assento, mas a maioria não sentava; então, foi-lhes perguntado o porquê da atitude de ficarem de pé e um participante, com mais coragem, respondeu: não sentamos para não sujar a cadeira. Foi dito, então, aos que estavam na reunião: Sentem-se; este teatro é de vocês! Eles riram muito, gargalharam até, e cutucavam uns aos outros, simulando mesuras recíprocas de oferecimento dos assentos e pensando ser brincadeira, o que criou um certo encabulamento nos organizadores. Foi dito novamente, lá do palco: O teatro é de vocês, cidadãos e cidadãs, que pagam seus impostos e constroem esta cidade! Eles riram ainda mais; um riso agora nervoso, robustamente descrente.

A razão para esse riso dolorido e incrédulo pode ser encontrada em outra história real e, também, exemplar. Dois anos antes, no final de 1989, Paulo Freire, na época Secretário Municipal de Educação de São Paulo, organizou um Congresso de Alfabetizandos. Era preciso fazer um cartaz para a divulgação. Certo dia, andando pela periferia, visitando diversas salas do movimento de alfabetização por ele criado, viu em uma delas, anotada na lousa, a primeira frase que um alfabetizando, de 45 anos de idade, conseguiu escrever na vida. Essa frase, registrada naquele momento ainda com equívocos de grafia e sintaxe, mas gritantemente ética e desafiadora, foi usada como lema no cartaz do Congresso: "Nós construímos esta cidade e nela somos envergonhados".






Assistam à Vejam:



Ama a vida e segue!
@galldino