Páginas

VÍDEO DO DIA

Um voto conscientemente verdejante!



Na enquete aqui ao lado ("um governo boicotar artistas que não votam em seu candidato é:"), deu o seguinte resultado:

1) 59% = Criminoso. Não merece nenhum voto!
2) 38% = Errado. Todos somos livres!
3)   1% = Legal. Artista que se cale!

Não é o DataFolha, mas creio que é mais ou menos isso o que pensamos.

Pois bem, O Teatro Mágico teve muitas apresentações canceladas pelo governo de São Paulo e ficou fora das Viradas Culturais do estado. Quer saber o motivo? Clic aqui!

Recentemente houve novas retaliações logo após o encontro que tivemos com o presidente Lula (mesmo com o clamor do público em nosso favor).

Mas também, quem mandou irmos "apoiar" Dilma, né?

Que é isso, quem somos nós pra servirmos de apoio num processo eleitoral. Uns esfarrapados da periferia, fora do mainstream e dos seus poderosos jabás radiofônicos: anônimos para 8 dentre 10 brasileiros.

Enquanto os célebres (de verdade) seguidos por milhões apoiam tranquilamente (e assim deve ser) o seu favorito tucano, nós somos boicotados por revelarmos nosso voto de esquerda. E ainda há quem patrulhe ideologicamente esses semi-famosos ou semi-anônimos, tanto faz...  

Ah, mas a gente até aparece nas grandes emissoras de TV.

É verdade: eventualmente, graças à apresentadores, diretores ou "pauteiros" que ousam convidar esses "palhaços-esquerdóides-remelentos", pintamos na telinha. E isso é também por causa do reconheci- mento que provem de uma pequenina (e digníssima) fatia do público.

Pobre de mim que nada sou.



Dilma não carecia de nosso apoio. Quem precisa de apoio somos nós: artistas autônomos.

Fomos, isso sim, levar propostas referentes ao nosso campo de atuação na sociedade. Poderíamos ter levado aos outros. Mas e a oportunidade para tanto?

Diante da candidata, falamos do que diz respeito aos artistas independentes. Ela: "vamos construir isso juntos". Só promessa? Pode até ser. Porém, nos caberá cobrar ações efetivas do próximo governo para aprimorar os avanços iniciados no atual. Mas como cobraríamos isso de um governante (supondo que o José ganhasse) que nem nos reconhece como artistas?

Como?

Serra presidente seria um tiro de calibre pesado no peito de uma nova forma de lidar com o mercado cultural nesse país. Poderá calar, outra vez, a voz que agora sussura fora da gananciosa e avarenta indústria fonográfica.

Basta pensar no "AI-5 digital" do Senador Eduardo Azeredo que pretende criminalizar o download na internet. Ou seja: "OctOpus", "O Teatro Mágico", GOG... voltaríamos todos dez anos atrás - ajoelhados aos pés das rádios, das gravadoras, dos produtores... longe do público.

Seria exagero crer que é assim com todo PSDB? Ok. Mas essa é a marca de José Serra: um traço programático/ideológico - governar para o capital, em detrimento das pessoas, da cultura.


Por essas e muitas outras estou com Dona Canô:



PS.: Em relação a um certo patrulhamento ideológico que sofremos disfarçado de "vocês não podem declarar voto, são formadores de opinião", quero dizer que quem (de)forma opinião no Brasil é Veja, JN, Folha e etc. 

A gente aqui divide: forma, reforma, informa. Mutuamente. 

Somos todos capazes e ninguém é PhD de mim nem de você pra saber das nossas carências melhor do que cada um de nós. Melhor do que cada um, só todos dialogando.  

Seu comentário é fundamental (ofensas serão desprezadas).

Ama a vida e segue!
@galldino