Páginas

VÍDEO DO DIA

Olhos nos olhos, quero ver o que você diz!

Fiz uma "pequena" junção de notícias e opiniões que justificam o voto em Dilma.
Os links levam às origens e íntegras dos textos.

Agora é só saborear!

***


91% do poder em mãos de machos(machistas). Hora das mulheres!

O candidato tucano, José Serra, gerou uma nova onda de protestos na internet. Ele apelou para que as “meninas bonitas” busquem convencer os seus pretendentes masculinos a votar nele, principalmente na internet:
"Se é menina bonita, tem que ganhar 15 (votos). É muito simples: faz a lista de pretendentes e manda e-mail dizendo que vai ter mais chance quem votar no 45".
Apoio dos artistas e intelectuais:

Uma semana depois do manifesto de artistas no Rio em apoio à candidatura de Dilma Rousseff, um grupo de intelectuais da Universidade de São Paulo realizou um ato a favor da petista. Liderados pela filósofa Marilena Chauí e pelo historiador Alfredo Bosi:
"O (José) Serra trouxe pela porta da frente o Opus Dei e a TFP (Tradição Família e Propriedade), que foram os grandes feitores da ditadura - essa é um afronta à nossa memória", disse Marilena". 
A historiadora Laura de Mello e Souza, filha de Antonio Cândido, leu uma carta do pai declarando voto em Dilma Rousseff e a socióloga Heloísa Fernandes, filha de Florestan, pediu que as pessoas não anulem seus votos:
 "Se vivo fosse, meu pai estaria aqui no meu lugar. No primeiro turno eu apoiei o Plínio (PSOL), agora, no segundo turno, discordo e não acho que tudo seja farinha do mesmo saco, Dilma e Serra representam duas concepções de mundo totalmente diferentes."
Corrupção só é pimenta no dos outros?

A Folha soube o resultado seis meses antes da divulgação de quem seriam os vencedores da licitação para concorrência dos lotes de 3 a 8 da linha 5 (Lilás) do metrô.

A licitação foi aberta em outubro de 2008, quando o governador de São Paulo era José Serra (PSDB). 

O resultado só foi divulgado na última quinta-feira, mas o jornal já havia registrado o nome dos ganhadores em vídeo e em cartório nos dias 20 e 23 de abril deste ano, respectivamente.

O valor dos lotes de 2 a 8 passa de R$ 4 bilhões.

Carta do Professor Emérito para FHC:
 "Fernando, você saiu do governo com 23% de aprovação enquanto Lula deixa o seu com 96%".
O plano real acabou com a inflação?
 "Os dados mostram que até 1993 a economia mundial vivia uma hiperinflação na qual todas as economias apresentavam inflações superiores a 10%. A partir de 1994, TODAS AS ECONOMIAS DO MUNDO APRESENTARAM UMA QUEDA DA INFLAÇÃO PARA MENOS DE 10%: tratava-se de um movimento planetário".
 Moeda forte?
 "Uma moeda que começou em 1994 valendo 0,85 centavos por dólar e mantendo um valor falso até 1998 era, na verdade, uma moeda drasticamente debilitada: quando nossa inflação esteve acima da mundial por vários anos, nossa moeda tinha que ser altamente desvalorizada. De maneira suicida ela foi mantida artificialmente com um alto valor que levou à crise brutal de 1999".
 Rigor fiscal?
 "Um governo que elevou a dívida pública do Brasil de uns 60 bilhões de reais em 1994 para mais de 850 bilhões de dólares quando entregou o governo ao Lula, este nível de irresponsabilidade cambial se transformou em irresponsabilidade fiscal que o povo brasileiro pagou sob a forma de queda da renda de cada brasileiro pobre".
E a história?
"Vocês (PSDB/DEM) vão ficar na nossa história como um episódio de reação contra o vedadeiro progresso que Dilma nos promete aprofundar. Ela nos disse que a luta contra a desigualdade é o verdadeiro fundamento de uma política progressista. E dessa política vocês estão fora". 
A quebra do sigilo foi a pedido dos "violados":



Corrupção só é pimenta no dos outros2?

Quando assumir, pela terceira vez, o governo do estado de São Paulo em 1º de janeiro de 2011, o tucano Geraldo Alckmin terá que prestar contas de um sumiço milionário de recursos federais do Ministério da Saúde: o dinheiro, quase 400 milhões de reais, deveria ter sido usado para garantir remédios de graça para 40 milhões de cidadãos, mas desapareceu na contabilidade dos governos do PSDB nos últimos 10 anos.

Candidato a pastor ou a padre? - observe a sugestão da "lei do jejum"... mais fome?



Falsos profetas ou mentirosos? - o mito e o medo como cabos eleitorais!





Contatada pelo Radar Político, Soninha Francine, coordenadora digital da coligação de Serra, disse que não viu todo o vídeo mas alegou ser "de sátira".

Fernando Morais:

Próis:

“Eu voto na Dilma porque é a pessoa mais qualificada para dar continuidade ao período que é seguramente o período mais importante na história do Brasil nos últimos 50 anos. Desde Getúlio Vargas nenhum presidente promoveu transformações tão profundas quanto o Lula.

“Vou pegar dois exemplos, em primeiro lugar o feito que foi tirar da miséria absoluta 30 milhões de pessoas, como a população inteira sabe. Isto significa 10 vezes a população do Uruguai , seis vezes a população da Dinamarca e não é esmola como dizem seus adversários. O Bolsa Família é um projeto de integração, de inclusão social, provavelmente um dos maiores já realizados no mundo".

 E contras:

“Não voto em Serra também porque conheço o Serra, sei quem é ele, é um desagregador, um dos poucos políticos que eu conheço que não tem amigos. O Serra foi a um cartório em São Paulo e registrou, escreveu num pedaço de papel ´vou ser candidato a prefeito de São Paulo e prometo cumprir o mandato até o fim´ . Assinou em baixo, José Serra, e no meio do mandato foi embora, largou a Prefeitura pela metade, entregou a prefeitura para o DEM, para a antiga Arena. Depois se elege governador e larga o governo pela metade.

“Como é que eu posso colocar para presidir um país, que não é para ser gerente, o Brasil não é uma agência bancária, não é uma loja de banana, como é que vou colocar para dirigir um país de 200 milhões de habitantes alguém que não cumpre nem a própria palavra.

“Essas são as razões essenciais pelas quais eu não voto no Serra”.

Terrorista ou revolucionária? Outro contexto na história!

Durante o período eleitoral, o passado de militância política da candidata Dilma Rousseff (PT) foi relembrado em reportagens de jornais, revistas e TV, enquanto e-mails e panfletos apócrifos a acusavam de "terrorista".

Não houve muita gente interessada em levantar como os serviços de segurança e informação do país avaliavam o papel de José Serra (PSDB).

Para os órgãos de segurança, Serra também esteve "envolvido em atos de terrorismo" e fazia discursos "extremistas", conclamando estudantes e trabalhadores para a "revolução". Foi julgado, à revelia, pela Justiça Militar, e condenado a três anos de prisão por "fazer publicamente propaganda de processos violentos para a subversão da ordem política ou social".

Serra assinou uma carta de apoio à revolução de Fidel e Raúl Castro, dirigida "ao povo paulista" de 23 de outubro de 1962.

Abordagem hipócrita!

A um eleitor evangélico, que citava Jesus Cristo como o "único homem que prestou no mundo" e que declarou voto em Dilma, a professora Mônica Serra afirmou que a petista Dilma Rousseff é a favor do aborto. Mônica falou com o vendedor ambulante Edgar da Silva, de 73 anos:
"Ela é a favor de matar as criancinhas".
E Sheila Canevacci Ribeiro relatou a Folha de S.Paulo, que Serra não respeitava tanto as mulheres,  começando pela sua própria:
 "Sim, Mônica Serra já fez um aborto".

 Hora da verdade:


 "Orientado por um marqueteiro que, se não é americano nato, provavelmente fez um bom estágio na máquina de moer carne de candidatos' em que se transformou a indústria de marketing político americano, o candidato Serra tem utilizado todos os truques da bíblia Republicana".
 (Miguel Nicolelis - professor da Universidade de Duke/EUA - indicado ao Prêmio Nobel de Medicina)
 "A idéia da TV Globo era usar todos os recursos de dramaturgia acessíveis. Apenas a emissora líder não contava com o baixo desempenho da protagonista... Com uma bolinha de papel não dá para escrever capítulo muito emocionante, algo que seja digno de novela das 9". (Washington Araújo).
O voto não corrupto e o desmantelo da obrigação de "alternância".
"O voto é ato político. A impressão que fica, porém, na maioria dos recursos a argumentos como alternância, para justificar o voto, é a de que são usados como pretexto. Melhor, como biombos das razões da escolha ou da disposição de enunciá-las. Por quê? Ninguém está obrigado a expor sua escolha. Se decide fazê-lo, o sentido político do seu ato só será completo se houver a mesma sinceridade aplicada à escolha. Do contrário, é agir como o recriminado na prática dos políticos. O que faz a democracia não é a alternância. É o voto livre e consciente, não importa qual seja". (Jânio de Freitas).



 ***

Artista despolitizado é um produto envolto numa embalagem frágil demais: fácil de dobrar, amassar e rasgar. Manipulável.

O papo aqui é reto: olho no olho - sincero!


Pra mim agora é Dilma. Eis as razões.

Ama a vida e segue!
@galldino